TV Justiça destaca história de servidora da CGJ
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 03/12/2018 17:35

A história da analista judiciário Rita de Cássia Franco Ferreira, lotada na Corregedoria Geral da Justiça, será tema de documentário, produzido pela TV Justiça, sobre o sistema Braille de escrita tátil, que, em 2019, completará 165 anos de implantação no Brasil. Nascida com deficiência visual, Rita superou diversos obstáculos para conquistar sua independência. E conseguiu: graduou-se em Letras, passou em concurso público e construiu uma família, entre outras realizações que a tornam exemplo de determinação e superação.

Defensora do método Braille na educação, Rita afirma que esse sistema mudou a vida dos deficientes visuais no país e no mundo:

- Antes do Braille, as pessoas cegas ficavam à margem da sociedade, dependendo de suas famílias ou de caridade. Com esse sistema, elas puderam ser alfabetizadas, chegar à faculdade, trabalhar e ter independência. O Braille foi um processo importante de inclusão socialdisse ela, que já foi professora do Instituto Benjamin Constant, no Rio de Janeiro.

Ritinha, como é chamada carinhosamente pelos colegas de trabalho, ingressou no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro há 20 anos. Atualmente, trabalha no Núcleo dos Juízes Auxiliares (NUJAC) digitalizando processos e gerenciando a caixa de e-mails da Corregedoria Geral da Justiça.

O documentário da TV Justiça deverá ser exibido em janeiro, mas a data certa ainda não foi divulgada.