Seminário marca comemoração do Dia do Psicólogo no TJRJ
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 31/08/2018 18:03

“Subjetividade, Ética e Produtividade” foi o tema do seminário organizado pelo Serviço de Apoio aos Psicólogos (SEPSI) da Corregedoria Geral da Justiça, em comemoração ao dia desses profissionais (27/8). O evento aconteceu nesta sexta-feira (31/8), no Auditório José Navega Cretton, reunindo psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Na abertura do seminário, o juiz auxiliar da CGJ Afonso Henrique Barbosa destacou a escuta qualificada e a importância do trabalho desses profissionais no Judiciário:

- Com a sensibilidade e o conhecimento técnico que possuem, eles nos ajudam a fazer justiça. O psicólogo tem um outro olhar sobre os indivíduos e isso é fundamental para que o juiz dê a sua sentença - destacou o magistrado.

A diretora da Divisão de Apoio Técnico Interdisciplinar (DIATI), psicóloga Sandra Levy, contextualizou o novo cenário do Judiciário, que vem incorporando novas formas de gestão para aumentar a produtividade dos tribunais através da informatização de sistemas e padronização de procedimentos:

- Essa iniciativa faz parte de uma estratégia nacional explícita na missão dos tribunais. Realizar justiça, fortalecer o estado democrático e fomentar a construção de uma sociedade por meio de uma efetiva prestação jurisdicional. Nesse sentido, a estratégia  nacional passa a ser avaliada por metas nacionais acompanhadas por uma comissão nacional do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Dessa forma, o Judiciário incorporou nos seus procedimentos noções e conceitos de outras áreas do conhecimento. Tal fato provocou uma demanda hoje dirigida aos psicólogos. E o tema da subjetividade ganha destaque nessas discussões .

A psicóloga Patricia Glycério, chefe do Serviço de Apoio aos Psicólogos, falou sobre o reconhecimento dessa atividade profissional e suas particularidades:

- Nós ainda notamos algumas situações em que há uma ausência de compreensão sobre as possibilidades e limites das atividades que exercemos. E é nesse ponto que precisamos começar a pensar nos dados que temos através de planilhas estatísticas para dar a devida visibilidade ao nosso trabalho, entendendo a singularidade de cada lugar e mantendo coerência com a nossa identidade profissional.

Patricia também destacou o serviço dos psicólogos do TJRJ:

- O quadro de psicólogos do Tribunal de Justiça é composto por profissionais qualificados e comprometidos. Somos desafiados a tomar diretrizes coerentes com o código de ética frente às crescentes e complexas demandas que nos são encaminhadas.

O presidente da Coordenadoria Judiciária de Articulação das Varas da Infância e da Juventude e do Idoso (CEVIJ), juiz Sérgio Luiz Ribeiro de Souza, participou da abertura do evento e da primeira mesa de debate ao lado dos psicólogos Eduardo Brandrão, Erika Piedade e  Marta Filartiga Henning. A segunda mesa foi composta pelos psicólogos Lindomar Expedito Silva Daros, Ilana Tubenchlak, Igor Chaves Silva, Marcia Valeria Vicente Guinancio, Renata Pereira Coutinho e Verônica Arantes.

                 

Galeria de Imagens