Celeridade e Autonomia: Projeto da Corregedoria monitora e orienta serventias
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 16/07/2021 18:53

Com o objetivo de dar celeridade ao trâmite processual das serventias de 1º grau, o projeto Monitoramento da Corregedoria Geral da Justiça acompanha o desempenho das varas, com a análise de diferentes indicadores para apoio e orientação, quando necessário.

Com foco em seis indicadores - autos paralisados, acervo geral, taxa de congestionamento, autos conclusos, Meta 1 e Meta 2 do Conselho Nacional de Justiça – a DIFIJ – Divisão de Fiscalização Judicial, da DGFAJ, monitora de forma constante as serventias da 1ª instância.

Por meio de visitas virtuais com os chefes de serventia são dadas orientações para a evolução dos índices cartorários. Nos encontros online, feitos pela Divisão de Apoio à Gestão Cartorária – DIGES, são debatidas as deficiências e dificuldades do grupo, sempre com foco na busca de soluções eficazes e criativas que viabilizem o alcance de resultados satisfatórios.

A diretora da DGFAJ, Simone Ferreira de Oliveira e Cruz, explica um dos fatores exitosos do projeto: “O sucesso do programa não se mede apenas pela melhoria nos autos paralisados, mas também pela redução do acervo”.

Simone pondera ainda que na atual gestão o projeto foi reestruturado e aperfeiçoado: “Agora temos a participação de juízes auxiliares atuando no projeto, o que está sendo muito importante, pois estamos alcançando os gabinetes, antes era restrito aos cartórios e chefes de serventias”.

Neste ano, o projeto Monitoramento superou metas. O indicador de 500 dias de processos paralisados foi reduzido, de forma considerável, para 300 dias. “Isso comprova a eficácia de um bom monitoramento”, afirma Simone Cruz.

A diretora avalia, ainda, que muitos problemas identificados pela equipe da Corregedoria, durante o monitoramento, são problemas de sistema, que prontamente são solucionados junto à Diretoria Geral de Tecnologia da Informação (DGTEC).