Assistentes sociais comentam as diversas frentes de trabalho no TJRJ
Notícia publicada por ASCOM - CGJ em 13/05/2022 17:03

Celebra-se no dia 15 de maio o Dia do/a Assistente Social. Nesta data, a Corregedoria Geral da Justiça, responsável pela coordenação, controle, normatização e apoio aos assistentes sociais do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), reafirma a importância da categoria, parabenizando-a pelo trabalho de excelência desempenhado em prol da Justiça fluminense.

“Os assistentes sociais são profissionais permanentemente engajados na defesa dos direitos da população e empenhados na construção de uma sociedade pautada nos princípios de igualdade, liberdade e justiça”, considera o corregedor-geral da Justiça, desembargador Ricardo Rodrigues Cardozo.

Com uma rotina de trabalho intensa, os 286 assistentes sociais do TJRJ lidam com situações complexas que envolvem os direitos de crianças, adolescentes e idosos. Estes profissionais se dividem em diversas áreas do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro, como: Varas de Infância, Juventude e do Idoso; Vara de Infância e Juventude (ato infracional); Vara de Execuções e Medidas Socioeducativas; Juizados de Violência Doméstica contra a Mulher; Equipes Técnicas Interdisciplinares Cíveis e Criminais; Central de Audiência de Custódia; Vara de Execução de Penas e Medidas Alternativas e outras unidades.

A chefe de Serviço de Apoio as/aos Assistentes Sociais da Divisão de Apoio Técnico Interdisciplinar da Corregedoria (SEASO – DIATI - CGJ), Luciene da Rocha, explica sobre o trabalho dos assistentes sociais no Tribunal de Justiça.  “No Poder Judiciário, atuam como auxiliares do juízo, analisando o contexto sócio histórico no qual as famílias vivenciam conflitos, violações de direitos, trazendo ao processo judicial os múltiplos aspectos que concorrem para as situações a serem apreciadas pelas/os magistradas/os, e as formas como os sujeitos envolvidos lidam com esta realidade”. 

Contribuição para a realização de um sonho

Diante das várias atividades e frentes de trabalho, o assiste social auxilia no atendimento de pessoas interessadas em adoção de crianças e adolescentes institucionalizados e prestam as devidas orientações.

Nessa perspectiva, para o assistente social Leonardo Simplicio, “contribuir para a chegada de crianças e adolescentes em uma nova família é um momento marcante na execução da função”. Além disso, o servidor destaca que é importante analisar, durante todo o processo adotivo, quando uma família não tem condições de adotar, apesar dos esforços da equipe.      

A importância de celebração desta data

Com quase 25 anos de trabalho no Tribunal de Justiça, a assistente social Miriam dos Passos Martins de Souza acredita que a celebração desta data representa a promoção de debates sobre a prática da profissão. “É um momento muito especial, pois, no meio de nossa rotina frenética de trabalho, dos percalços e das dificuldades vivenciadas, realizamos eventos para discutir e repensar a nossa prática e os novos rumos da profissão, além de ser um momento de troca, articulações e confraternização”.