Estudo da CGJ mostra que 2019 teve os melhores índices dos últimos seis anos no Primeiro Grau
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 10/08/2020 14:53
2019 foi o primeiro ano em que o montante de autos eletrônicos ultrapassou o de físicos

O Departamento de Suporte Operacional (DESOP) realizou um estudo que demonstra o impacto do trabalho desempenhado pela Corregedoria Geral da Justiça na evolução da produtividade do TJ-RJ nos últimos anos. Segundo o levantamento, 2019 foi o ano com melhores índices dos últimos seis anos: a taxa de congestionamento atingiu sua menor marca e o número de processos eletrônicos ultrapassou o de físicos.

Tais indicadores são reflexo do trabalho desempenhado pelo Corregedor-Geral, desembargador Bernardo Garcez, e sua equipe desde o início da gestão. A queda da taxa de congestionamento para 73,12% no ano passado, por exemplo, se deu, principalmente, por conta da intensificação das fiscalizações da CGJ e do trabalho realizado pelas Centrais de Arquivamento.

Em razão da força-tarefa desenvolvida pela Corregedoria para melhorar o processamento das Centrais de Arquivamento, houve aumento significativo da produtividade dessas unidades em 2019. O total de arquivamentos alcançou um valor superior ao somatório dos dois anos anteriores, contribuindo para a melhor taxa de contribuição desde 2015.

 

O número de conclusões de 2019 também alcançou sua maior marca dos últimos 5 anos: um total de 11.259.267 processos. O aumento se dá, principalmente, pelas fiscalizações na primeira instância, mas também pelo Ato Normativo Conjunto 04/2019 e pelo Aviso CGJ 355/2019, que alertava os magistrados que constitui falta funcional a utilização da “pré-conclusão” com o objetivo de ocultar a falta de andamento processual. 

Leia o estudo completo